fbpx

Endocardite Infecciosa

Iniciamos uma nova temporada do Valve Basics com um assunto que é complexo e envolve uma abordagem multidisciplinar, a endocardite infecciosa. Patologia que coloca juntas duas grandes especialidades da medicina, a cardiologia com o grande enfoque nas valvopatias e a infectologia.

Pacientes que desenvolvem essa patologia, são, na imensa maioria das vezes, ricos em comorbidades, desnutridos, imunossuprimidos e, quase sempre, portadores de valvopatias.

A lesão característica é a vegetação, composta numa massa amorfa de tamanho extremamente variável com plaquetas, fibrina e microorganismos. Discutiremos mais adiante a fisiopatologia em detalhes.

Vale ressaltar que, antes da descoberta dos antibióticos, todos os pacientes que apresentavam endocardite evoluíam para óbito. O quadro infeccioso que acometia o endocárdio não era contido e, em questão de dias ou semanas, havia choque séptico e morte.

As valvas cardíacas são acometidas na grande maioria das vezes, mas qualquer processo infeccioso que acometa o endocárdio é denominado de endocardite, como infecções de eletrodos e dispositivos cavitários, cordas tendíneas, etc. Infecções de shunts ou coarctações tem evolução semelhante e algumas referências também denominam de endocardite.

Qualquer microorganismo é capaz de causar uma endocardite, mas determinadas bactérias são mais frequentes e merecem sempre ser lembradas diante de um quadro ao menos sugestivo. São elas:

  • Estreptococos
  • Estafilococos
  • Enterococos
  • Cocobacilos gram negativos

 

De forma genérica, podemos separar os quadros de acordo com a manifestação clínica predominante em aguda e subaguda. Quadros mais graves e de evolução mais rápida, apresentam maior morbimortalidade e são consideradas agudas. Determinadas etiologias têm esse comportamento mais pronunciado, sendo o maior representante nesse caso o S. aureus. São quadros marcados por intensa toxemia e instabilidade clínica, com destruição completa das estruturas valvares em alguns dias.

Já os quadros mais arrastados têm diagnóstico muitas vezes complexo e alguns casos ficam sendo classificados por semanas como febre de origem indeterminada. Algumas bactérias apresentam esse comportamento, sendo as infecções estreptocócicas a principal representante.

Literatura Sugerida:
1 – Bignoto, Tiago. Valve Basics – Valvopatia do Básico ao Avançado. 1ª ed. São Paulo: The Valve Club, 2021.

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar