Anticoagulantes no TAVI

Sempre um desafio

O uso de anticoagulantes, por si só, já é um grande desafio, pois muitas vezes lidamos com uma sensível balança entre riscos de sangramento e trombose. Agora imagina fazer esse malabarismo de riscos em um paciente idoso, frágil e usuário de polifarmácia?!

Uma análise real de pacientes submetidos a TAVI e que tinham indicação de uso de anticoagulantes colocou a prova o perfil de evolução clínica entre eles, DOAC’s e antagonista da vitamina K.

Ao longo do ano, usuários de DOAC’s tiveram maior prevalência de eventos trombóticos protéticos, mas mesmo risco de sangramento, quando comparado aos usuários de antagonista da vitamina K.

Um ponto interessante é a recomendação de, nos três primeiros meses, o uso ser exclusivo dos antagonistas da vitamina k, para o tempo adequado de endotelização do dispositivo, pelo menos é o que encontramos nas diretrizes internacionais.

Avaliações sobre a mortalidade ao longo de 1 ano mostram superioridade também dos antagonistas da vitamina K, principalmente quando há análise de subgrupo de doença isquêmica do coração, embora uma explicação definitiva sobre isso ainda seja buscada.

Quando observamos trabalhos desenhados para esse fim, aparentemente ambas as classes medicamentosas teriam efeitos semelhantes. Trata-se de uma população com risco inerente para sangramento elevado, mas tanto os desfechos trombóticos, quanto os hemorrágicos não diferiam.

Em uma análise mais próxima do mundo real, sem a adequada seleção dos pacientes, que tem os benefícios de explicar melhor certas correlações estatísticas, mas que atrapalha na avaliação do dia a dia, vimos que o uso dos DOAC’s está associado a desfechos piores.

Causas? Má aderência? Interação medicamentosa? Difícil afirmar a partir de um estudo que tem como objetivo apenas levantar hipóteses.

Cabe aos pesquisadores da área tentar entender os mecanismos fisiopatológicos envolvidos para sabermos escolher adequadamente as coortes que melhor se beneficiem de determinada classe medicamentosa.

E assim seguimos com a discussão cada vez mais acesa…

Literatura Sugerida:
1 – Jochheim D, Barbanti M, Capretti G, et al. Oral Anticoagulant Type and Outcomes After Transcatheter Aortic Valve Replacement. JACC Cardiovasc Interv. 2019 Aug 26;12(16):1566-1576.

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar