Escore de Cálcio

É possível em bioprótese?

Nos últimos anos acompanhamos uma estratificação intensa nos pacientes portadores de estenose aórtica importante, de acordo com o gradiente sistólico médio. Assim surgiam os pacientes considerados baixo fluxo e baixo gradiente.

Nesse contexto de pacientes, a investigação muitas vezes demandava a utilização de um teste de stress com dobutamina. Em casos indeterminados, veio o cálculo do escore de cálcio da valva nativa acometida e nos deu, de forma objetiva, se a valva estava fibrocalcificada ou não.

Em caso de pacientes com bioprótese em posição aórtica e que evoluíam com redução da área efetiva de fluxo e mantinham baixo gradiente, o raciocínio seguia o mesmo?

Um trabalho interessante utilizou esse método para avaliar a calcificação da bioprótese, o perfil hemodinâmico e os desfechos desses pacientes.

Inicialmente, um dado levantado foi que não houve diferença entre a calcificação entre os sexos, como ocorre em valvas nativas. Sabemos que valores de 1200U são considerados extensa calcificação em mulheres e em homens, apenas valores acima de 2000U. Em se tratando de bioprótese, tanto homem, quanto mulher o valor de corte seria o mesmo.

Em trabalhos anteriores, a detecção de calcificação em nível celular pelo PET-scan nos mostrou pior prognóstico evolutivo de próteses biológicas. Agora com a avaliação pela TC, a análise é macroscópica e valores acima de 58U/cm2 estavam relacionados a desfechos clínicos.

Um questionamento foi o valor bem inferior ao das valvas nativas e a explicação foi que uma pequena porção de cálcio em uma bioprótese já era suficiente para levar a disfunção significativa.

A conclusão que o estudo trouxe foi que a avaliação inicial deve ser pelo gradiente médio e a presença e intensidade de calcificação serviria para refinar a estratificação de risco evolutivo para deterioração de bioprótese.

Porque não propormos um modelo de investigação composto pela avaliação funcional através dos gradientes e a avaliação anatômica pelo cálculo do escore da prótese sem o uso do contraste, como feito na valva nativa?

Literatura Sugerida:

1 – Zhang B, Salaun E, Côté N, et al Association of Bioprosthetic Aortic Valve Leaflet Calcification on Hemodynamic and Clinical Outcomes. J Am Coll Cardiol. 2020 Oct 13;76(15):1737-1748.


 Baixar Artigo 

Deixe um Comentário

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar