O PVM e a prática de esportes

Existe contraindicação?

O PVM é comum na população geral e é frequentemente assintomático. Algumas dúvidas ainda perduram em relação ao portador de PVM esportista ou aquele que apenas pratica exercícios físicos no combate ao sedentarismo.

Existiriam proibições ou limitações do ponto de vista cardiológico?

Fisiopatologicamente durante um exercício físico aeróbico temos redução da resistência vascular sistêmica, e como a FC e a PA se elevam pode ocorrer aumento da regurgitação e da pressão capilar pulmonar.

Um estudo de subgrupo de pacientes com PVM mostrou risco aumentado de morte súbita em análise retrospectiva.

Algumas hipóteses foram levantas acerca do “fenótipo maligno” ser caracterizado por:

1 – Mulheres jovens com PVM de dois folhetos.

2 – Ondas T bifásicas ou invertidas nas derivações inferiores.

3 – Ectopias ventriculares complexas frequentes: bigeminismo ventricular documentado ou taquicardia ventricular (TV) sustentada ou não da via de saída alternada na origem fascicular ou do músculo papilar.

Os exames de imagem que são a base do diagnóstico dessa cardiopatia como o ecocardiograma e a ressonância magnética do coração que avaliam adequadamente a estrutura e função da valva mitral. Além da degeneração mixomatosa que define a válvula como patológica, a fibrose de parte dos músculos papilares no segmento inferobasal do VE pode ser fonte de arritmias ventriculares.

Podemos concluir que Esportistas / Atletas com PVM poderiam ser liberados, mas sem nenhuma das condições abaixo:

  • Síncope prévia;
  • TSV sustentada ou repetitiva e não sustentada ou frequente e/ou taquiarritmias ventriculares complexas no HOLTER;
  • Insuficiência Mitral grave com FEVE < 50%;
  • Evento embólico prévio;
  • História familiar positiva de MS relacionada ao PVM.

Do ponto de vista anatômico, essas são as recomendações para a liberação de atividade física:  

  • Se o tamanho do VE for até 60 mm – liberar todos [Classe IIa C]
  • IM grave + Ritmo Sinusal + FEVE normal com VE < 60mm – (IA, IIA, IB) [Classe IIb C]
  • IM com VE > 60mm ou < FEVE ou HP – esportes (IA) [Classe III C]

                               * FA em uso de ACO evitar esportes de contato

Podemos concluir que ainda é controversa a associação de PVM com arritmias ventriculares e morte súbita cardíaca, mas as estatísticas de morte no esporte colocam o PVM como uma das possíveis causas, sendo importante realçar que na maioria das vezes, o diagnóstico se da como achado de necropsia.

Literatura recomendada

1 – Spartalis M, Tzatzaki E, Spartalis E, el al. Mitral valve prolapse: an underestimated cause of sudden cardiac death-a current review of the literature. J Thorac Dis. 2017 Dec;9(12):5390-5398.


Baixar Artigo

 

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar