TAVI após Endocardite

É permitido?

A Endocardite é uma doença potencialmente fatal e traz consigo uma série de morbidades. De forma geral, 50% dos pacientes que foram internados com a doença e sobreviveram o primeiro mês são submetidos a intervenção cirúrgica valvar ainda na internação.

Em uma população idosa, a prevalência se eleva, bem como a mortalidade, visto serem pacientes normalmente de alto risco e cheios de comorbidades. Quase um terço desses acabam por ter a cirurgia convencional negada pelos altos riscos e uma abordagem percutânea é contraindicada pelas atuais diretrizes internacionais pelo risco de contaminação da prótese implantada.

Algumas publicações mostram que o tratamento cirúrgico após 10 dias de tratamento antimicrobiano adequado em infecções controladas, excluindo o S. aureus tem bons resultados na evolução desses casos. Isso fez gerar a hipótese de se tentar o tratamento tanscateter em determinados contextos.

Aparentemente, naqueles casos de risco cirúrgico proibitivo, o tratamento com TAVI de uma lesão aórtica residual pode ser tentado em casos com baixo risco de infecção local. No entanto, quase 1/5 dos pacientes que são submetidos a esse tipo de tratamento evoluem com manifestações de sepse ao longo de 1 ano após a alta, muitos deles sem a identificação de endocardite de prótese.

Por serem pacientes graves já de base, boa parte deles se mantém sintomáticos mesmo com o tratamento da valva aórtica.

A questão principal reside no fato de termos certeza de que a valva acometida está estéril no momento do implante do TAVI. Em caso positivo, o tratamento deveria ser permitido, mas pacientes que já desenvolveram endocardite em algum momento são de alto risco para novos eventos semelhantes e ter uma prótese transcateter pode ser o gatilho para nova infecção em um cenário de paciente ainda mais grave.

Outro ponto salientado para pior prognóstico está na questão técnica do implante. A vegetação residual pode ser responsável pela formação de um Leak, da inadequada expansão da prótese ou mesmo de embolização de detritos que podem levar a complicações sérias.

Atualmente o uso de TAVI nesses pacientes é uma medida quase que heroica com resultados muitas vezes duvidosos. As diretrizes atuais contraindicam, com razão o procedimento, mas em casos selecionados, após discussão de Heart Team e explicando riscos e benefícios ao paciente e familiares, podemos encontrar uma indicação.

Literatura Sugerida:

  1. Santos-Martínez S, Alkhodair A, Nombela-Franco L, et al. Transcatheter Aortic Valve Replacement for Residual Lesion of the Aortic Valve Following “Healed” Infective Endocarditis. JACC Cardiovasc Interv. 2020 Sep 14;13(17):1983-1996.


 Baixar Artigo

Deixe um Comentário

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar