Valve-in-Valve

TAVI-in-TAVI ou TAVI-in-SAVR?

 A indicação de troca valvar sempre deve passar pelo dispositivo que se pretende implantar no paciente. Como já está estabelecido, buscar a plástica valvar é o ideal, pois evita os riscos inerentes a ter uma prótese, seja ela biológica ou mecânica.

Uma vez que chegamos à conclusão de que a plastia não será adequada, a discussão vem para a durabilidade e riscos de eventos tromboembólicos do dispositivo.

Muito se discute dos riscos de uma anticoagulação a longo prazo e os eventos hemorrágicos. Dessa forma, vimos uma crescente nas indicações de biopróteses nos últimos anos, que melhoraram seu perfil, mas seguem com o problema cardinal: a deterioração.

Com o desenvolvimento da técnica de correção percutânea de uma bioprótese degenerada, o valve-in-valve, encontramos uma nova onda de entusiasmo na indicação do dispositivo biológico, já que esse tratamento só é possível em próteses com esse tecido.

Tanto biopróteses convencionais, quanto as próteses TAVI são biológicas e poderiam ter suas deteriorações contornadas por essa técnica.

Aqui devemos salientar alguns comportamentos esperados no perfil hemodinâmico dos dois procedimentos. O TAVI-in-TAVI aparentemente resulta em uma nova configuração com gradientes menores do que quando comparado com o TAVI-in-SAVR nas mesmas condições de tamanho.

Isso se deve, muito provavelmente, pela performance hemodinâmica de ponta das próteses TAVI, quando comparadas com as convencionais. Vale ressaltar que as biopróteses convencionais de última geração podem equilibrar essa balança muito em breve, incluindo aqui o anel com expansor, já corriqueiro nos novos dispositivos.

Outro ponto é a incidência de regurgitação paraprotética mais comum no TAVI-in-TAVI, pela ausência de um anel rígido que sirva de ancoramento adequado.

A sobrevida e segurança imediata dos dois procedimentos se equivale, mostrando ser técnica segura e com boa resolução, respeitando as adequadas indicações, claro.

Aqui vale pontuar um detalhe: A durabilidade das próteses TAVI ainda não foi estabelecida completamente, logo propor TAVI-in-TAVI deveria ocorrer apenas após esses dados, mas com o que já temos na literatura, é de bom tom aceitar que a durabilidade seja muito próxima das biopróteses convencionais.

Literatura Sugerida:

1 – Landes U, Sathananthan J, Witberg G, et al. Transcatheter Replacement of Transcatheter Versus Surgically Implanted Aortic Valve Bioprostheses. J Am Coll Cardiol. 2021 Jan 5;77(1):1-14.


 Baixar Artigo 

Deixe um Comentário

Privacidade e cookies: Este site usa cookies. Ao continuar no site você concorda com o seu uso. Para saber mais, inclusive como controlar cookies, veja aqui: Política de cookie

As configurações de cookies deste site estão definidas para "permitir cookies" para oferecer a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar as configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, estará concordando com isso.

Fechar